domingo, 17 de outubro de 2010

Até aos Ossos

O fim pode chegar em qualquer dia. Abaixo a fatalidade do amor e da vida, a morte e o ódio terão sempre o seu lugar. Quando aparecem o ódio e a morte, a sua combinação manifesta-se de forma perversa e subtil, trazendo ao de cima o pior do que cada um pode ser capaz de realizar e demonstrar. Sem entendermos, vamos deixando a teia dos maus sentimentos instalar-se no meio e no centro do nosso ser. A confusão instala-se e o tal tempo dos passeios permanece. As caminhadas nocturnas em busca dos animais selvagens que devorem a nossa carne até aos ossos, para não sobrar nada senão as cinzas do que nós fomos.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial