sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Paradoxo

Esta semana de descanso a meio da rotina foi também a semana em que a temperatura do ar desceu consideravelmente. As temperaturas estão mais baixas e os dedos das mãos ficam frios rapidamente quando estamos no exterior. No sentido diametralmente oposto o coração está cada vez mais quente e preenchido. Começar a queimar os primeiros discos compactos com a parte instrumental do disco d'A Praia Grande significa que está cada vez mais próxima a edição do meu primeiro disco a solo. Daí que exista este paradoxo entre a temperatura do ar e a do meu interior. À medida que uma vai baixando a outra vai subindo, porque se instala a constatação de que fui capaz de executar o que pretendia.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial