segunda-feira, 15 de maio de 2017

Gratidão

É acima de tudo gratidão aquilo que sinto quando passa mais um ano, mais um aniversário, comemorado com quem está comigo quase diariamente. Essa gratidão estende-se e amplia-se durante o ano, apesar de eu não saber demonstrá-la. A semana foi fecunda em acontecimentos memoráveis e muitos irrepetíveis e passou mais um ano. Ou será menos um ano. Sopro as velas, deito-me no sofá, sou criança novamente, serei velho eternamente. Algo assim como a matemática dos números que somo e vou diminuindo. A festa é no Marquês com desconhecidos e apenas um amigo de longa data que vai vivendo na Andaluzia. Somos milhões e uma só alma, é a letra da canção. A alma vai alegre, triste, sonhadora, desolada, lacrimeja e ri. São trinta e seis títulos, aniversários, somados uns a seguir aos outros. Sou pai, filho, neto, fui bisneto e aquilo que serei no futuro não sei, mas sou grato.

sábado, 6 de maio de 2017

Dez anos

Foi há dez anos. Lembro-me desse ano que passou há dez anos. Começo a recordar quase tudo o que passei nesse ano: a viagem ao festival da Catalunha, o Verão sem fim no Algarve, a noite de magia do fim de Dezembro. Era um quarto de século vivido e uma vida nova a nascer. Foi já há tanto tempo que tudo se passou e só agora é que começo a assimilar a importância desse ano a nível pessoal. A madrugada que começa ajuda a memória. A probabilidade de terminar este blogue é cada vez maior, porque é novamente nesse momento que me encontro, como há dez anos. São ciclos, passagens, viagens, memórias, escritas, recordadas, pensadas e reflectidas. Gosto de saber que ainda recordo bem as caras que fizeram parte dessa vida que deixei nesse ano. Passado tanto tempo já não sei de quase ninguém. Recordar isso é bom e faz parte da transformação e da realização.